fbpx

Sobre o Correndo Pelo Diabetes

SOBRE

CORRENDO
PELO
DIABETES

O Correndo pelo diabetes ou CPD, para os íntimos, é um projeto social que tem como objetivo estimular a prática regular de atividade física como ferramenta de promoção da saúde e inclusão da pessoa com diabetes.

O projeto surgiu em 2017, naquela época ainda se chamava “Correndo pela cura”, pois o nosso fundador, Bruno Helman decidiu arrecadar dinheiro para a pesquisa clínica para a cura do diabetes, como forma de correr a maratona de Nova Iorque pelo Team JDRF.

Impactado pela quantidade de pessoas mobilizadas em prol da causa, Bruno então decidiu mudar o nome para “Correndo pelo diabetes” e passou a percorrer o mundo. Levando a mensagem que o diabetes pode ser o começo de uma nova vida, mais ativa e saudável.

Depois de passar por 5 países e mais de 20 cidades, o Correndo pelo diabetes criou o seu primeiro núcleo regional no Rio de Janeiro.

Hoje somos muito mais que um grupo de pessoas com diabetes que correm, nos tornamos uma família de atletas reais correndo atrás de sonhos possíveis. Aprendemos, ensinamos, acolhemos, somos acolhidos, juntos buscamos trazer mais “leveza” pra condição.

Somo atletas unidos pelo amor à vida e pela vontade de nos tornarmos a nossa melhor versão a cada dia.

O diabetes pode ter mudado as nossas vidas, mas o esporte mudou o nosso futuro.

Junta-se a nós e venha correr atrás dos seus sonhos!

Missão

Estimular a prática regular de atividade física como ferramenta para promoção da saúde e inclusão das pessoas com diabetes.

Visão

Um mundo em que as pessoas diabetes são ativas, saudáveis e incluídas na sociedade.

Estatísticas

UNIDOS PELO AMOR À VIDA

JUNTE-SE A NÓS!

25+Eventos
10+Cidades no Brasil e no Mundo
2000+Pessoas impactadas

EQUIPE CPD

CONHEÇA NOSSOS PROFISSIONAIS 

Todos os membros do Correndo pelo diabetes são voluntários, dedicando seu tempo e conhecimento por amor à causa.

Bruno Helman CEO e Fundador

Bruno foi diagnosticado aos 18 anos, no seu último ano do Ensino Médio. Logo percebeu que tinha duas escolhas: controlar o diabetes ou deixar ele controlá-lo. Optou pelo primeiro  caminho e começou a correr, completando sua primeira maratona motivado pelo seu pai.

No entanto, nunca havia buscado se relacionar com outras pessoas que também tinham a condição até que, ao participar de uma expedição para a Islândia, descobriu o valor da troca entre pares (peer support) e da construção de uma comunidade.

Depois de arrecadar recursos para a cura da condição, decidiu que deveria ajudar a sua própria comunidade a ser mais ativa e saudável. Fundou, então, o Correndo pelo Diabetes.

Hoje, Bruno dedica-se a levantar a bandeira do diabetes e de outras doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), sempre enfatizando a importância do envolvimento significativo daqueles que possuem a condição.

Brenda Cartaxo Administrativo

Brenda foi diagnosticada com diabetes tipo 1 aos 14 anos, no auge da adolescência. Com o apoio da família, conseguiu entender a nova condição, porém nunca aceitou-a. Antes de entrar na fase adulta, se rebelou, negando o diabetes.

Depois de conhecer outras pessoas “como ela”, Brenda se inseriu nessa grande comunidade, tendo sua vida e tratamento transformados.

Formada em Biomedicina e pós-graduanda em Educação em Diabetes, usa seu conhecimento e experiência para acolher, aconselhar e apoiar todos que precisam.

Dra. Denise Reis Franco Consultora Médica

Dê, como é carinhosamente chamada, se formou como médica endocrinologista na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Ainda na sua residência, quando participou da colônia de férias da UNIFESP/NR para crianças com diabetes, ela abraçou a causa.

Desde a década de 1990, atua como voluntária na ADJ – Diabetes Brasil, ocupando atualmente o cargo de Diretora. A paixão pela atividade física surgiu na infância, motivada pelo seu pai, que era atleta. Anos mais tarde, se especializou em Medicina do Esporte.

Além disso, levanta a bandeira de educação em diabetes, pois acredita que é a melhor maneira de estimular o autocuidado das pessoas com diabetes e auxiliar suas escolhas. O esporte também desempenha um papel importante na motivação e qualidade de vida, mostrando que o diabetes não limita os que buscam realizar seus sonhos e correm atrás deles. Dê faz parte do Correndo pelo Diabetes desde o início.

Emerson Bisan Coordenador de Exercício Físico

Bisan foi diagnosticado com diabetes tipo 1 aos 21 anos, ainda na faculdade de Educação Física. Ao sair da primeira consulta, prometeu que faria o melhor possível no seu tratamento para deixar seus pais orgulhosos.

Com o passar dos anos, descobriu que o esporte era uma ferramenta importante para a autoestima das pessoas com diabetes, em especial para as crianças recém-diagnosticadas. Hoje em dia, o “Coach”, como é chamado pelo seus alunos, utiliza sua profissão para ajudar as pessoas a realizarem seus sonhos, dentro e fora das pistas.

Bisan já completou quase 100 maratonas e dezenas de ultramaratonas, algumas com mais de 48h de duração, foi eleito Atleta SBD 2019 e faz parte do Correndo pelo Diabetes desde o início do projeto.

Dra. Maristela Strufaldi Consultora de Nutrição

Maristela possui graduação em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo e mestrado em Ciências (Endocrinologia Clínica) pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Ainda na graduação, estagiou na ADJ Diabetes Brasil, onde se apaixonou pela causa.

Em 2010, obteve certificação como Educadora em Diabetes pela International Diabetes Federation (IDF-SACA) e, em 2011, deu início ao Serviço de Nutrição do Ambulatório de Endocrinologia de Exercício da UNIFESP, onde atuou por sete anos. Segue trabalhando na área de Nutrição Clínica e Esportiva, com foco em diabetes e obesidade.

Atualmente, ocupa o cargo de vice-coordenadora do Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), promovendo uma nutrição acolhedora, gentil e baseada em evidências. Maris faz parte do Correndo pelo Diabetes desde o início.

Paula Calassara Relacionamento Institucional

Paula, estudante de medicina, faz iniciação científica no departamento de Diabetes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Acredita que a mudança do estilo de vida a partir do esporte como fonte de saúde e lazer é uma das principais formas de cuidado, sendo fundamental especialmente para a população com doenças cardiovasculares e metabólicas.

Corredora de provas rápidas pela UERJ e de maratonas por paixão, Paula vê na corrida uma atividade lúdica que permite compartilhar dificuldades e desenvolver habilidades de organização, disciplina e concentração, o que colabora para a saúde mental e resiliência de quem convive com doenças crônicas. Está sempre motivando novas pessoas a experimentarem o mundo das corridas.

Priscila Pecoli Consultora de Saúde Mental

Priscila atua em torno daquilo que nomeou como o “incontável”, desde que começou a atender pessoas com diabetes. Ela define o “intocável” como sendo as vontades, sonhos, desejos, bem como as angústias, aflições, medos e inseguranças que sentimos, estejam eles ligados ou não à condição.

Com formação em psicologia e especialização em psicanálise, possui certificação em promoção da saúde mental em diabetes pela American Diabetes Association – American Psychological Association (ADA-APA) e faz mestrado em Endocrinologia Clínica (UNIFESP). Ainda é membro dep. de Psicologia da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e responsável pela área de saúde mental do Instituto Brasileiro de Treinamento e Educação em Diabetes (IBTED).

Apesar de não ter DM, ela crê que muito pode ser feito diante daquilo que não conseguimos mudar. Pri considera que o suporte emocional oferece condições para vivermos bem com diabetes.

Dr. Roberto Zagury Consultor Médico

Zagury não tem diabetes, mas é como se tivesse. Ele mesmo costuma dizer isso, em função da relação quase pessoal que tem com a causa: seu pai foi um dos diabetólogos responsáveis por trazer o conceito de “educação em diabetes” para o Brasil na década de 1970.

O jovem endocrinologista trilhou seu próprio caminho, tendo como foco o exercício como remédio. Para isso, fundou a “Comissão temporária para o estudo da endocrinologia do exercício e do esporte” da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) em 2013 e exerce atualmente o cargo de coordenador do departamento de Diabetes, Exercício e Esporte da SBD.

Além de endocrinologista, fez mestrado na área de nutrologia e pós-graduação em medicina esportiva.

Correndopelo DIABETES